4.12.07

Saint Peter do Wolverine, Batatas e Alface com Honey Mel


Mas ahh, aparece o brother aquele que foi teu colega em meados da época em que a tv pirata entraria em férias... ô lôco, quanto tempo se passou... e depois de velho que o brother vem ensinar a fazer um peixinho que me deixou sem palavras. E eu sugeri então, ainda remotamente, fazermos algum prato com batatas pra acompanhar o peixe, eis que o muchacho me larga a seguinte frase: "caraca, tenho uma receita de batata tmb que é o bicho!". Pronto, trabalho sujo Vaguinho: segue o cara no prato, "dá de mão nos talher" e registra a peleia.

Ingredientes:

- uma lata de milho verde
- uma caixinha de creme de leite
- sal (tu q sabes a quantidade)
- limão (uns 2 ou 3)
- mostarda em pó
- cebola cortada em rodelas (uma ou duas, ou mais, hehehe)
- queijo lanche/outro (pode ser fatiadinho e/ou ralado grosseiramente)
- batatas (óia galo, acho q 1,5kg)
- um cubo de manteiga
- alho desidratado
- 100g de queijo gorgonzola
- alface
- mel (acho legal entre 50 e 100ml)
- filezinhos de peixe (a quantidade eh contigo brother, acho q umas 500g tah legal). O brother comprou o tal de Saint Peter conforme indicação do vendedor. Era pura carne, e bem ameno assim, sem cheiro forte e tal... boa pedida
- meu segredo

Modo de preparo

Comecemos pelo peixe. Mentira, to de pegadinha, coloque os batatões para cozinhar na água, hehehehe. Agora sim, tempere o peixe apenas com um salzinho, o suco do limão e a mostarda em pó. Com o forno pré aquecido (mas ahhh), cobre o peixe com as cebolas em rodelas e podes deixar o peixinho se auto abafando-se a si mesmo propriamente na sauninha. Se a alface não estiver cortada, rasga as folhas em pedaços com as mãos ao lavar, pra não precisar dobrá-la ou até mesmo cortá-la (caraca, tróço tosco cortar alface) na hora de comer. Pega as alfaces prontinhas e reserva (aaaahhhh galo véio... "reserva"... toooda a base!).

Podemos então ir preparando (ó o gerúúúúndio!) o "molhozinho" que vai sobre as batatas. Para tanto, coloque o tabletão de manteiga na panela até derretê-lo e logo em seguida o alho desidratado. Some o gorgonzola desmanchando o mesmo (cara, eu escrevi "some", do verbo "somar" saca? eu jah sou praticamente um chef!). Pulverize a mostarda e era Wilson. No momento em que fazíamos, eu tinha uns 100ml de um recheio preparado para uns tomates que serviram de entrada (ver receita de tomates recheados) e misturei este contiúdo com o molho de queijo derretido. Tah na mão jorginho, agora é pegar as batatas já cozidas, des-cas-cá-las e cobrir com o "molhozinho", levando também ao forno em seguida, mas não sem antes colocar um pouco de queijo sobre as batatas.

No meio do vuco-vuco todo, entre comer a entrada que tu deves ter escolhido no site e preparar esse prato cheio de peripécias, ainda temos a cobertura do peixe que, até provar eu achava que não tinha nada demais... mais uma vez me despencaram os butiás do bolso... maluca e funcional! Coloque o milho da lata no liquidificador com o creme de leite, o meu segredo e bata. Quando eu digo bata, eu me refiro a ligar o aparelho pra ele fazer a mistura... não pra... bom, deixa pra lah. Tá na mão, voltemos ao peixe.

Digamos que o peixe já está entre 70 e 80% do tempo que deveria no forno, retire o mesmo e cubra com a mistura do liquidificador, colocando sobre toda essa loucura o queijo ralado grosseiramente ou mesmo em fatias finiiiiiiiiinhas. Volte o preparado ao forno e aguarde... a metamorfose estará em andamento e em alguns minutos o rango mutante estará tomando conta de você.

Pra não ficar sem ter o que fazer nesse tempo que resta, em uma xícara (ou um prato, ou sei lah) coloque o mel e misture com mostarda (não adianta suspirar, não vou dizer a quantidade, feeling brother! E essa mostarda eh aquela normal de cachorro quente...). Jeitosamente leve essa mistura por sobre a alface que estava reservada (se quiseres colocar umas gotas de limão, go ahead!)... Eis a salada de alface com mel e mostarda!
Já elvis, podes retirar o que tens no forno, servir com a salada e vamo nélson...

Dica do Japa

- receita boa pra fazer pros coroas, ou pra fazer com os amigos em um clima de reencontro e tal... nao fica pesado, dah pra comer à noite e etc.
- peixinho pode ser comprado no mercado público... sabe muuuuito!
- o mel, alface, limãozinho podem ser adquiridos nas feiras de 5a à tarde lá perto da casa do Ale na Botafogo em Poa, e se for perto das 19:30h eles estão liquidando a mercadoria para se verem livres! hehehe
- se tu tiveres um licorzinho de laranja e/ou cafeh em casa, o wolverine vai se amarrar... vai por mim.
- eu tava louco pra saber qual era o tal segredo cara, tem ateh livro e filme sobre isso... Daih o loco me tira um negocio do bolso, abriu e atirou no liquidificador com o milho e o creme de leite. Sabe o que era? Um tempero pronto, e na embalagem dizia "Meu segredo". Caraca, eu queria matar o wolverine.

Trilha sonora: Bah, agora sim, me puxei... quem tiver a oportunidade e quiser correr atrás, nao vai se arrepender de ouvir um som chamado 4+20 cujo autor(es) é(são) Crosby Stills Nash & Young. Se entenderes a letra então, eh de arrepiar. Em segundo lugar na parada, o cd dos Rolling Stones vale também (tiiiiimeeee is on my side, yes it is!!!!!).

TCF – The Cooking Fellowship

3.12.07

Feijuca Rock´n Roll do TCF


Então é isso, final de ano chegando, seu Noel lavando as renas para a viagem, teu décimo terceiro se esvaindo do teu bolso sem o menor pudor ou consideração, camarada acendendo as velas para Santa Edwiges, protetora dos pobres e endividados (segundo a crença popular é só acender uma vela para ela sobre as dívidas que a vela queima até o final e as contas somem, principalmente se pegarem fogo).
Mas também é época de união dos parentes e amigos queridos, então é claro que o TCF se reuniu para comemorar a chegada do final do ano (além de comemorar seu primeiro ano de vida em Outubro/07, é claro), com uma receita há muito prometida mas que já estava virando lenda: Feijoada.
É claro que quando a palavra “Feijoada” ou “Feijuca” para os mais íntimos na arte culinária, é pronunciada, logo vem à cabeça uma roda de samba, muita cerveja, todos os órgão do pobre porco (ou quase todos ;o)) numa panela de pressão, uma noite mal dormida e uma semana indo aos pés de 3 em 3 horas, quase certo, mas como os demais integrantes do TCF (aqui, leia-se Firpão e Pantufa, que juntos representam 66,66666666666... % do grupo) não são muito chegados a um Exaltasamba ou a um Fundo de Quintal, fizemos uma Feijuca Rock´n Roll ao som de Creedance, Beatles, Eric Clapton, Alice in Chains e outros para mim irreconhecíveis.
Então como esta é uma edição especial e comemorativa, seguem as receitas dos 4 pratos típicos de uma boa feijuca de domingão: arroz branco (ah fala sério, precisa mesmo colocar receita disso?), couve refogada com farinha Veneranda, laranjas amarelas (pois está cada vez mais difícil encontrar laranjas efetivamente laranjas) e o feijão propriamente dito. Vamos ao goró.

Ingredientes:

Para o arroz:

- 2 canecas de arroz branco;
- 1 colher de azeite da Olívia;
- sal a gosto;
- 1 cebola picada;
- 1 colher de chá de pasta de alho;
Tchê, vamos falar claro: acho um saco esse negócio de “uma colher de chá disso” ou “uma colher de sopa daquilo”. Como já foi comentado “n” vezes neste blog, é preciso muito feeling nas receitas, então não leve nada ao pé da letra, coloque a quantidade que agrada ao teu paladar e vai ser feliz.

Para a couve refogada:

- 4 couves;
- 1 colher de sopa de manteiga;
- 1 colher de chá de pasta de alho;
- sal a gosto;
- 4 colheres de sopa de farinha para churrasco temperada, se possível Veneranda, pois se é “Veneranda é pra você fazer delícias” ;o)


Para as laranjas:

- 5 laranjas;

- uma faca com a qual você possa descascar as 5 laranjas;

Para o feijão:

- 1 kg de feijão preto ou dar cor que você preferir;
- 1 kit feijoada (tem para vender no Bourbon e custa em média R$7,50 e vem pé de porco, joelho de porco, costela de porco, calabresas de diversos tipos, pimenta, louro, enfim, é uma arma química empacotada a vácuo);
- 4 calabresas grossas;
- 4 calabresas finas;
- 2 linguiças paio (uma lingüiça grossa e com gosto de fumaça, imprescindível para a receita);
- 200gr de bacon picado;
- 200gr de costelinha de porco defumada;
- 400gr de costela de porco;
- 6 folhas de louro;
- 4 tabletes de caldo de feijão;
- 6 pacotinhos de Sazon para feijão;
- 2 cebolas picadas;
- 1 colher de chá de pasta de alho;
- pimenta calabresa;
- misture num potinho orégano e manjericão.

Eu sei, eu sei o que você está pensando: “Ah pára, os caras vêm fazer receita com kit feijoada e ainda vêm pagar de cozinheiros, colé???”. Não seja assim meu querido, sem pré-julgamentos. Primeiro faz a porcaria e depois tu reclama. Se fossemos comprar todos os ingredientes separadamente (joelho, pé, etc...) gastaríamos pelo menos um terço a mais do que gastamos para fazer essa receita, e nosso objetivo além de fazer uma goró de qualidade aceitável, é manter uma culinária “roots” e bem “periferia”, acessível a todos e tal. Para tu teres uma idéia, montar uma feijuca dessas para 12 pessoas, sai em média R$60,00. Sim, R$5,00 por pessoa, então presta atenção aí e vamos ao que interessa.

Modo de fazer

As laranjas:
Descasque as laranjas. Parta-as em 4 pedaços e estão prontas. Se você conseguiu fazer até aqui, não desista, pense que você já fez 25% da receita.

O Arroz:
Em uma panela com óleo quente, dê uma dourada na cebola e adicione 2 xícaras de arroz. Dê uma fritadinha no arroz, adicione sal a gosto, pasta de alho e dê mais uma misturadinha. Adicione 4 xícaras de água, deixe a panela “meio tampada” em fogo baixo e aguarde até ficar pronto. Se você conseguiu fazer até aqui, não desista, pense que você já fez 50% da receita.

A couve:
Tire o talo das folhas da couve (tem gente que gosta do talo, então na verdade isso fica a seu critério), enrole as folhas em trouxinhas e vá picoteando. Você verá que a couve picada tem um volume imenso antes de ir ao fogo, mas não se iluda, depois de cozida ela não enche um prato. Numa frigideira aqueça uma colher de manteiga e frite a couve, adicionando sal a gosto. Se você tiver um Sazon para saladas (aquele do pacote verdinho), tasca nesse negócio que fica bom também. Depois de a couver ficar bem cozidinha, reserve-a numa bacia e na mesma frigideira, torre um pouco de farinha temperada (Veneranda hein, não esquece). Junte a couve nessa farinha e misture bem, até ficar visualmente irresistível. Tá feita a porcaria, e se você chegou até aqui, mas ahhh hein, 75% da feijoada já tá pronta meu irmão, nunca foi tão fácil uma receita no TCF hein. Vamos ao último passo.

A feijuca:
Tudo começa no dia anterior. Abra o pacote do kit feijoada e deixe-o de molho numa bacia com água para remover o sal, por umas 3 horas. Antes de ir dormir, troque a água dessa bacia e deixe-o a noite inteira submerso na água para remover bem o sal desse troço. Numa outra bacia qualquer, você já pode deixar o feijão, também submerso na água de um dia para o outro. Beleza, então vamos pular para a manhã seguinte. Como estamos falando de 1kg de feijão, é bem provável que você necessite de duas panelas de pressão ou faça duas vezes a receita na mesma panela (gênio!!!). Numa panela de pressão coloque 500gr de feijão, 2 tabletes de caldo de feijão, 3 folhas de louro, os pedaços de carne de porco que tiverem ossos (costelinha, pé, joelho, etc) devidamente picados (com o mínimo de carne), encha de água até ficarem uns 2 dedos de água acima do nível do feijão e leve ao fogo alto. Deixando-os, pelo menos 15 minutos na pressão (sendo que a panela vai levar uma meia hora até pegar pressão). Enquanto isso, vá picando todos os outros ingredientes (calabresas, bacon, paio, etc) e vá jogando-os numa panela grande o suficiente para caber tudo, fritando-os em óleo bem quente e reservando-os numa bacia. Logo estaremos misturando tudo isso na panela, e só para usar um pouco mais de gerundismo, logo estaremos desligando a panela de pressão, para estarmos misturando toda essa fritura com o feijão, para depois estarmos comendo essa joça e estarmos tendo pesadelos infernais com feijões gigantes a noite. Ok, depois de tudo frito, se já tiverem passado 15 minutos de feijão na pressão, desligue a panela, coloque-a sob a água fria da torneira para aliviar a pressão, aguarde seu brother sair correndo da cozinha com medo da pressão da panela e abra-a para que possamos temperar a feijuca. A essa altura, o cheirinho já deve estar despertando a curiosidade dos vizinhos, mas não te micha galo véio, que isso ainda vai deixar o vivente ai do lado sem “butiá nos bolso”. Com a panela aberta adicione dois pacotinhos de Sazon para feijão, a cebola, uma pitada da mistura de orégano e manjericão, uma colherada de pasta de alho, tampe novamente a panela e deixe na pressão por mais 3 minutos. Beleza, agora para finalizar, despeje o conteúdo dessa panela de pressão numa outra panela grande o suficiente, e misture toda a fritura que você fez anteriormente com as calabresinhas, sempre mexendo em fogo baixo. Adicione a outra panelada ou repita o processo caso você tenha uma única panela, e adicione tudo nesse “caldeirão” que a esta altura já deve estar macanudaço. Continue mexendo em fogo baixo e adicione um pouco da pimenta calabresa para dar aquele gostinho. Deixe pegando um gosto por mais uns minutinhos e vai ser feliz meu rapaz que isso aí deve estar que é uma depilada de virilha com cera quente.

Dicas do Japa:

- O processo de tirar o sal do kit feijoada é importantíssimo, caso contrário teu feijão vai ficar um lance assim meio Boitatá com língua de fogo e talz, além de que, os hipertensos da família, principalmente os mais velhos, te serão gratos por toda a eternidade...
- a propósito, caso você não tenha percebido, não use sal no feijão, não precisa. A quantidade de carne salgada que você usou nessa receita já irá atalhar teu caminho até Jesus significativamente;
- se o feijão ficar muito aguado, pois nem sempre a gente acerta de primeira, tasca farinha de mandicoca nesse caldo para engrossar. Vai por mim, já te botei em fria alguma vez? Hein?! Hein?!
- no processo de cozimento da feijuca, tasca uma caipira. Durante a feijuca uma cervejinha e depois da feijuca uma bomba de chocolate e teu caminho até Jesus já estará atalhado em 70%.
- peguei uma barbada com a minha cunhada bióloga pra limpar a couve que não tem erro. Tasca a couve numa bacia com água e um pouco de alvejante que todos os bichinhos vão seguir sua jornada e deixer a sua couve em paz para consumo. Vai por mim que já vi coisas saírem de uma couve que você nem imagina.
- se você quiser fazer numa ordem que fique tudo pronto ao mesmo tempo (para servir quentinho e talz), faça a feijuca até a parte onde você troca de panela. Quando botar o feijão no panelão, começe a fazer o arroz. Quando colocar as xícaras de água no arroz, faça a couve, e as laranjas, obviamente, você pode ter deixado descascadas e partidas desde o início.

Trilha sonora para acompanhar a receita: Dois brothers amarradões em Creedance, Beatles, Eric Clapton e afins ;o) Vai que da certo né?!

Have Fun, aloha e coisarada.

TCF – The Cooking Fellowship

Todos os direitos reservados (era só o que faltava vc roubar direito autoral de pobré né o mané)

27.11.07

Fanfarrões Fastéis de Forno Fem Fermento


Bah, numa visita de médico pra dar o cavalo (carona) ao cumpadre depois do jogo, tu aproveitas a chuva e o chimarrãozinho pra discutir a boa da noite. Melhor ficar por casa porque a chuva tá forte, mas pra reunir a galera, tens que ter um prato divertido e prático, daqueles onde tu podes colocar todo mundo no serviço.... hehehe. Pastéis de forno são o bicho, e a massa caseira é feita sem fermento meu velho... queres maior barbada que essa?

Ingredientes para a massa do pastel:

- farinha de trigo (pode ser bem menos de 1kg)
- sal
- um ovo (ou dois se fizeres com mais de 400g de farinha)
- óleo
- manteiga ou margarina
- leite frio
- uma garrafa de vinho

Modo de Fazer

Tá. Não tem erro, ou como diz um amigo meu quando me vê postando receitas novas, "bem que já me disseram que bandido tem cara de gente!". Neste caso em particular, eu fiz os recheios antes, pois eu queria que quando o pessoal chegasse eu nao estivesse literalmente com a mão na massa. Para os recheios, como na maioria das minhas receitas, tu abres a geladeira e vê o que tens à mão, o resto é por tua conta índio velho! Eu tinha calabresa, coraçãozinho, bastante cebola, milho, carne moída, ricota, brócolis, rolou até uns pedacinhos de filé de frango com molho de tomates. Claro, cozinhei e fritei os ingredientes para os recheios em separado e reservei (bah, tu nao sabes a tiriça que eu tinha pra escrever a palavra "reservei" em alguma receita). A carne moída eu dei uma boa fritada com bastante chili que é vendido no mercado público em poa na banca do holandês (óia o jabá rapá). É possível verificar os recheios ainda separados na foto que acompanha.
Bom, daí, colocando a cervejinha pra gelar no baldinho e esperando a galera, tu jah vais dando um up na louça... principalmente no fogãozinho tropeiro que usaste pra fazer a mó sujeira na hora de fritar a calabresa, cebola, coraçãozinho, etc. Té parece q o vento minuano passou por ali.
Quando a galera chega, a ceva ainda não deve estar gelada, pq se jah estiver, provavelmente tá pela metade né? Claro como o céu da campanha em janeiro de ano bissexto. Tchê, não te acanha... bebe o vinho da garrafa que tá na lista pra poder usar essa garrafa depois. Então tu pegas uma bacia (tigela) e colocas a farinha, a manteiga (umas 74g) um copo de leite frio e, em um xicara tu bate o ovo cru com um pouco de óleo e depois atira na bacia também. Começa a sovar, mas te atraca como mosca na mer... e faz aquilo ali virar uma massa de uma consistência quase de argila. Daí tu colocas essa massa pra dar uma descansada na geladeira por uma meia hora enquanto a galera jah toma aquela geladinha e petisca a entrada que também ficou por tua conta.
Ao tirar a massa da geladeira, abra a mesma usando a garrafa como rolo de massa (ahhh muleeeeque) até a espessura de uns 2mm e use a tampa de uma panela ou um prato pra recortá-la em "pizzas" redondinhas. Nesse momento, com o forno pré-aquecido, vá montando um pastel com cada recheio e/ou misturando os mesmos e dobre as massas em meia-lua, "vedando" com a pressão dos dentes de um garfo por toda a volta da meia-lua. Com uma pulverizada de farinha em uma forma, tu colocas os pastéis um ao lado do outro e atira no forno.
Minutos depois, tira dali, dá uma sopradinha e mete pra dentro nego véio... com aquela geladinha... e o barulhinho da chuva... e cheio de mulher na volta... bah... chegô a me pretiá as banana. Olha, receita justa como dedo no nariz... é boa como de cagar e andar em volta (expressão do vô ney).

Dica do Japa

- Tchê, era bom botar queijo junto com alguns dos recheios pra o pastel não ficar "seco". Uma ricota já ajuda!
- Bah, um óleo de olívia ou uma mostardinha/ketchup acompanhando os pasteizinhos, nóssinhora!
- As vezes nao se faz necessário o sal na massa, pois os recheios sao salgados o suficiente, mas vai por mim que na maioria das vezes que fiz essa receita, a massa ficou tão ou mais gostosa que o recheio.
- Use uma superfície resistente para abrir a massa... uma mesa as vezes pode ser frágil, que tal a pia da cozinha bem limpinha?

Trilha sonora para acompanhar a receita: o cd G Love's Lemonade, onde o cara consegue unir um sonzinho surf com uma gaitinha de boca beeeem legal, naquele estilo blues que eu me amarro!

Aloha!

18.11.07

Layers de polenta e lombo com limão e alecrim


Tudo começa naquele dia em que tu acordas e pensa se vale a pena a correria pra matar as charadas que tu agendou. Claro que vale, o maximo que vai acontecer é dar tudo errado. Uma vez jogando no parque tu tomas uma bolada na cara, um rapa de um doente que nunca pegou uma bola de basquete e um cotovelaço "sem querer" de um brother. O que mais pode acontecer? Eu respondo... eu respondo: O saci aquele que rompeu o tendão e de alguma forma deseja dar continuidade à saga, aparece no parque e diz em alto e bom som que a tua casa foi sorteada "aleatoriamente" pra sediar o rango do dia. Pronto, e o cardápio? Dont worry, what you see is what you get: decidimos o cardápio dentro do supermercado, minutos antes de darmos inicio aos trabalhos e, ainda demos de cara com o brother incumbido da bebida lá. Eis que surge a pergunta que não quer calar: "será que eu vou ser sempre o último a saber?"! Segue a ata da reunião inside the store:

Ingredientes

- Um pacote de 500g de polenta temperada
- um pedacinho de lombo de porco (hehehe, 1kg serve)
- alguns limões
- alecrinzinho e um temperinho mais forte, industrializado pra dar cor e sabor
- umas calabrezinhas
- um potinho de requeijão
- queijo (pode ser aquele vendido em tirinhas tipo "ovos moles", bahh me puxei)
- óleo e um salzinho da bruxa

Modo de preparo

Ah meu querido, começa colocando a ceva no baldinho, saquinho de gelo acompanha com um pouquinho d'água para dar o start (vai por mim que o meu freezer é potente pacas e perdeu pra esse processo aí na arte nórdica de gelar o líquido precioso).

Bueno, pra não perder tempo, coloque para ferver um litro e meio de água em uma panela grande com um fio de óleo enquanto tu já passa o tempero por sobre o porco e depois de colocar o alecrim sobre o mesmo atira essa belezura dentro do forno pré aquecido. O brother já vai ajudando com a louça enquanto o terceiro elemento mistura a polenta com água fria (essa mistura, depois de homogênea é incorporada na água que já deve estar quase fervendo).

O caboclo que se desocupar primeiro já confere se a bebida está no ponto e, independente da resposta, bota o muchacho a picar a calabresa. Nesse meio tempo, em virtude das habilidades adquiridas em todo esse período em que nos reunimos, já tínhamos realizado a entrada de tomates recheados e estávamos tentando comer sujando o mínimo possível (hehehe, impossível).

Meu velho, a essas alturas do campeonato, a polenta diluída na água fria e incorporada à água fervendo minutos atrás (diga-se de passagem que deve ser sempre mexida com uma colher, sem que levantem bolhas no processo de preparo) já deve estar quase ou efetivamente pronta (tu sabes disso quando ela adquire uma consistência única entre o estado líquido e o sólido da matéria). É neste momento que tu tiras o porco do forno pra dar um conféris e expreme alguns limões sobre o mesmo, jogando o mesmo no forno novamente pois ele ainda não deve ter assado por completo (até o centro). Tah, agora tu pegas uma travessa que pode ir ao forno e intercala uma camada de polenta, uma de requeijão, uma de calabreza e assim vai terminando com o queijinho por cima (se tiveres queijo suficiente para todas as camadas, melhor). Colocas então a "lasanha de polenta e calabreza" no forno junto com o porquinho delicioso que lá reside e liga o dourador do forno pra deixar o porco ainda mais atraente. Espera uns minutos enquanto tu te delicia com a ceva que o brother trouxe e está beeeem geladinha e depois tira os pratos do forno e te acaba!

Dica do japa

- não inseri na receita nenhum apontamento sobre o sal, tu podes salgar o que quizeres o tanto que quizeres, mas não te esqueces que os temperos podem fazer esse trabalho sozinhos. Talvez ao fazer a polenta tu possas colocar um pouquinho de sal, contudo, cuidado!
- saladas verdes acompanham o prato, no caso rolou uma alface e por sobre o prato principal adicionamos pitadas de salsinha e cebolinha
- a receita é voltada para o trabalho em equipe, ideal para quando cozinhamos entre duas ou mais pessoas.
- outra dica é servir logo que a gororoba sai do forno, pois o queijo ainda está daqueeeeele jeito!

Trilha sonora da receita: Kanye West - Gold Digger
Entretenimento áudio-visual para auxílio degustativo do prato: Jason Kidd enganando até o diabo na quadra de basquete, pode ser conferido nos melhores DVDs da NBA.
Aloha!

14.11.07

Batatas Recheadas - chupa essa manga!


Tá, a galera está te cobrando aquele rango faz tempo, tu estás sem muitas idéias e queres (como sempre) fazer um rango fácil, barato, rápido, gostoso e que impressione. Tá na mão queridão... é só fazer a batata recheada... Vai por mim que essa é quente, nao vai te deixar na mão, estufa tri bem o povão e o recheio rola no improviso, com aquilo que tu tiveres na geladeira. Segue o baile:


Ingredientes


- Batatas brancas (grandes, preferencialmente)
- forno
- panela com água
- óleo e salzinho da bruxa ("da bruxa" é só pra enfatizar)
- creme de leite ou requeijão ou qualquer coisa parecida
- abre a geladeira e traz o que tiveres de carne, frango, porco, qualquer coisa (nesse caso específico, linguiça toscana e um baconzinho: baaaaaaaaahhhhhhhh, toda a base!)



Modo de Preparo


O primeiro passo é cozinhar as batatas (depois de lavá-las, pq as mesmas vão ser devoradas com casca e tudo). A panela tem q ser meio grande pra cobrir as batatas por completo (e inteiras) embaixo d'água de cozimento. Bueno, até quando cozinhá-las? Cara, essa receita é roots e tu tens a liberdade de escolher. Eu sugiro... veja bem, sugiro... que seja até o ponto em que tu consigas enfiar um talher qualquer na batata e ela "o receba" com tranquilidade. Resumindo, ela tem q estar beeeem diferente de uma maçã (huahuauha, isso me lembra uma outra receita de um brother em que a batata ainda não tinha ficado cozida o suficiente e o prato parecia ter
sido feito com maçãs, lembra spk?).

Bueno, enquanto as batatas estão a cozinhar, te atraca na gororoba que vai servir como recheio. Neste caso em específico, encontrei linguiça toscana, bacon e outras coisas e cortei tudo picadinho e dei uma boa fritadinha e tal. Quando tava querendo ficar meio seco isso tudo, eu temperei com orégano, bastante curry, pimentinha calabresa (em pequenos flocos), pouco sal pra não morrer de pressão alta e poder tomar um cafezinho outra hora.
Cara, seguinte, dá-lhe com creme de leite nessa mistura toda. Bom, seguinte, na porta da geladeira tinha uma tal de mostarda (aquela amarelada, industrial) com pedacinhos de semente e tal, e bem no estilo extra-forte. Adivinha? Resbalou e caiu bem dentro do recheio q eu tava
fazendo... q peeeeena! Meu velho, vou te contar... ainda bem q eu erro nessas receitas, pq se eu acertasse... eu tava bem ferrado!

Tá na mão... daí tu pegas essas batatas recém cozidas, ainda quentes, Muhuhahahaha, e corta elas pela metade ao comprido como se fosse um bigmac. Se der, faz tipo uma conchinha, tira um pouco do miolo da batata pra colocares o recheio. O que tu vais fazer com o miolo da batata? Sei lah cara, inventa um purê e tal... mas o interessante eh completar essas metades aih com bastante recheio maluco e dispor essas batatas em uma forma para ir ao forno pré-aquecido na temperatura que tu quiseres pelo tempo que tu achares melhor, pra dar aquela douradinha sabe? E pra fazer com que a batata absorva também um pouco do recheio. Na foto da receita, eu não tinha a manha de cortar a batata ao meio (até pq na maioria das receitas a gente dá um peitaço e o que sair saiu, mata-se a cobra e mostra-se o pau, e se eu não sou ligeiro os quatis me lambem), então tirei um tampão da mesma e paguei de topeira esburacando o meio da batata.

Tchê, tu achaste difícil? Difícil é cantar parabéns e bater palmas ao mesmo tempo... essa receita aqui é pra guri novo ir agregando feeling no processo de se virar sozinho.

Dica do Japa

- Hehe, cuida bem das batatas cara pois elas são a base pro teu recheio, literalmente;
- Podes fazer uma gororoba com carne moída pra usar como recheio, deve ficar o canal!
- Note que se tu fizeres alguns passos em simultâneo (cozinhar as batatas e fazer o recheio ao mesmo tempo, por exemplo), a receita até que fica relativamente rápida!
- Não tenha medo de errar, como eu disse, se acertares, aí é q tens que se preocupar!
- Podes colocar também umas ervas malucas no recheio e/ou por sobre ele, talvez até um queijinho ralado, bah, quase me babei agora.
- Se tu tens algum convidado(a) pra comer (hehehe), que é daquelas pessoas que acha que a vida é um moranguinho e não come isso e não come aquilo, já dá o aviso de antemão: "olha, vamos comer batata com casca e tudo!". Daí a figura já vai saber que a coisa toda é roots mesmo!

Trilha sonora da receita: Marvin Gaye - I Heard It Through the Grapevine

Entretenimento áudio-visual para auxílio degustativo do prato: meu amigo Samuel L. Jackson numa performance inesquecível, incorporando o legítimo bluesman ao cantar sobre a inevitável decepção do homem no assunto amor. Confere no filme "Entre o Céu e o Inferno." (Black Snake Moan, 2007. Direção:Craig Bewer. Elenco: Christina Ricci, Samuel L.Jackson, Justin Timberlake e outros)

Idealizador e hábil executor da receita: Vagner Pantufa

Aloha!

18.9.07

Lentilha pegada com aipim beeeeeeeem fritinho


Pois é. Dizem que um dos segredos para um site/blogg/wiki/página pessoal/ ou qualquer outra baboseira que você escreva on-line dar certo, é mantê-lo sempre atualizado. Não há nada mais frustrante para os seus visitantes do que entrar em um site e ver que o dono não o atualiza há meses, é uma ofensa, um desrespeito com sua vontade em visitá-lo, uma agressão. Nossa sugestão?? Procure um psicólogo e vá resolver seus problemas. Infelizmente não temos tempo sobrando para atualizar este blogg diariamente e muito menos semanalmente. E acredito que você que está lendo essas linhas agora também não o tem, portanto deixe de ser chato e continue passando aqui de vez em quando para ver se tem rango novo ;o)

Mas então, segue uma receita de uma lentilha bem pegada com um aipim beeeeeem fritinho. Eis que de repente e não mais que de repente essa catrefa se reune no msn e decide fazer uma lentilha bem pegada. Como já mencionei numa receita passada, nosso humilde "colaborador" (que não colabora em absolutamente nada) Firpão, tem uma "fissura" em descascar aipims, logo, nada mais justo do que deixá-lo a cargo dessa tarefa, por muitos seres normais considerada como "um porre". E fala sério, uma lentilha com um aipimzinho fritinho é o que há. Mas qual não é a nossa surpresa que o cara me coloca o aipim a fritar e esquece da vida bebendo o vinho do gringo, hehehe. Bah Firpo, esse aipim beeeeeeem fritinho vai ficar na história cara.

Ingredientes:

Para a catrefa:

- uma noite fria pra caramba;
- 3 desocupados numa quinta-feira a noite;
- 2 garrafas de vinho do gringo;
- 500gr de aipim beeeeeeeem fritinho;

Para a lentilha:

- 2 linguiças calabresas picadas em rodelinhas;
- 300gr de bacon picadinho em cubinhos;
- 4 linguicinhas calabresas finas picadas em rodelinhas;
- 6 cebolas grandes picadas (ma qu tanta cebola que vai nesse troço criatura...);
- 3 colheres de alho desidratado (aquele do saquinho sabe?);
- sal a gosto;
- 2 pacotinhos de Sazon pra feijão (já que ainda não vi Sazon para lentilha ;o)
- ah sim, um pacote de lentilha, claro;

Modo de preparo

- Coloque o pacote de lentilha numa vasilha cheia d'água e deixe reservado. Duas horas depois, quando ela estiver meio gordinha, coloque essa lentilha nessa mesma água a cozinhar numa panela comum (pelamordeDeus, não vai me colocar a lentilha em uma panela de pressão, que é capaz de entopir o bico e explodir a tua cozinha ainda - Spk mostrando seu lado dramático). Enquanto a lentilha vai cozinhando, frite as calabresinhas em duas colheres de azeite bem quente e reserve-os. Frite o bacon e reserve-os. Frite a cebola e reserve-as. Na panela da lentilha, que a essa altura já deve estar uma beleza, adicione os 2 pacotinhos de Sazon e sal a gosto (não muito, pois a calabresa e o bacon também se encarregarão de salgar esse troço).

- Agora vá adicionando um a um na panela, sem deixar de mexer, o alho, a cebola, as calabresas e o bacon. Vá mexendo de vez em quando em fogo baixo, bebendo um vinho e vendo o seu brother queimar o aipim ;o) Deixe em fogo baixo por uns 5 minutinhos e tá feita a paçoca.

Dica do Japa:

- Não queime o aipim. Mas se bem que mesmo queimado aquele aipim tava bom pra caramba... (deve ter sido efeito do vinho);
- Se você quiser pode usar alho em pasta ou mesmo alho cru, ao invés do desidratado.
- Adicione umas ervas ou qualquer coisa verde (cebolinha, salsinha, hortelã...) que vai ficar que é um dedo destroncado.

Trilha sonora da receita: Graça - Exaltasamba

Entretenimento áudio-visual para auxílio degustativo do prato: Os vídeos do The Cooking Fellowship que em breve estarão no Youtube (mas ahhhh).

Idealizador e hábil executor da receita: Spk, Firpo e Pantufa.

Have fun

t+

Spk

17.9.07

Ensopado de Rabo com Aipim (malicioso vc hein!?)



Mas ahhh. Pintou um feriadão sem sol, o dia com aquela cara de quem comprou bicicleta mas na real queria era casar, rolou um telefonema, dois telefonemas, 3 telefonemas, e o resultado foi um ensopado com rabo de boi e 2 garrafas de vinho tinto do gringo. É lógico que esse rango tem que ficar registrado, então segue a receita do goró.

Ingredientes:

- 1,5kg de rabo de boi (seguinte, tão vendendo a R$5,35 o kg no mercado público de POA);
- 2 tomates picados;
- 2 cebolas picadas;
- 2 caldos de picanha;
- 500gr de aipim;
- meia taça de vinho tinto;
- sal a gosto;
- 2 pitadas de alecrim;
- um brother amarradão em descascar aipim (vai entender), que fará o serviço sujo da receita no nosso caso, o Firpo ;o)

Modo de preparo:

- A primeira tarefa a ser feita é colocar seu rabo a cozinhar numa panela de pressão. Coloque seu 1,5kg de rabo numa panela de pressão com 2l de água e 2 tabletes de caldo de picanha e deixe cozinhar até seu rabo ficar bem molinho. Esse processo leva aproximadamente uns 50 minutos até que a carne esteja quase desprendendo do osso (isso vai ficar uma beleza rapá, vai por mim). Depois que o rabo estiver pronto, reserve-o e coloque o aipim que seu brother descascou e partiu a cozinhar na mesma panela de pressão, com a mesma água que sobrou do rabo. O processo de cozimento do aipim você terá que acompanhar de perto, pois você é que sabe se prefere o aipim mais durinho ou mais molinho.

- Beleza, depois de ambos cozidos, vamos colocar a mão na massa. Em uma panela de ferro grande, adicione 3 colheres de azeite e coloque a fritar o rabo do bichinho. Quando estiver com aquele aspecto bem coradinho, adicione as cebolas e os tomates e tempere com sal a gosto. Mexa até que a cebola esteja bem amarelinha. Adicione 2 xícaras do caldo do rabo que está na panela de pressão, o alecrim, o meio cálice de vinho tinto e deixe cozinhando opr uns 10 minutinhos. Para finalizar, adicione o aipim na panela, beba o vinho que sobrou no cálice e vá ser feliz...

Dica do Japa:

- Esta receita não é de rabada. Nós faremos uma rabada futuramente, mas essa receita é de ensopado. Se não era o que você esperava, vá ser feliz em outra receita.

- Não deixe o aipim ficar muito mole no cozimento, senão quando você o colocar na panela de ferro com o rabo ele desmancha rapidinho.

- Umas pitadas de pimenta do reino nessa receita dão aquele brilho especial. Vai por mim, já te botei em fria antes??

Trilha sonora da receita: Na Madrugada - Amigos do Samba

Entretenimento áudio-visual para auxílio degustativo do prato: Eu e meu brother Vaguinho Pantufa Vamoquebratudo McCollins cantando "Points of Authority" do Linkin Park, huahuahua. Imperdível, inesquecível, inenarrável... "Forfeit the game Before somebody else Takes you out of the frame, Puts your name to shame Cover up your face, You can't run the race, The pace is too fast you just wont last..."

Idealizador e hábil executor da receita: Spk

Have fun

t+

Spk

Almôndegas de fim-de-noite ao molho branco amarelado


Pois então. Após uma longa temporada sem postar nada nesse humilde blogg, vamos aliviar um pouco o stress da semana postando uma receita nova nesse espaço magnífico que o Google nos cedeu. Infelizmente procuramos publicar ao menos uma receita nova por mês, e apesar dos pedidos (e acredite, eles existiram), o mês de agosto passou em branco por aqui. Não que as receitas não tivessem saído, apenas não houve tempo ocioso para publicá-las mesmo, portanto agora vai uma sequência de 3 receitas para ver se reconquistamos a credibilidade de "fazedores de comida" (pois não temos a pretensão de insultar a classe dos cozinheiros), que conquistamos a duras penas ou melhor, sabores ;o).

Essa receitinha de almôndega é uma barbada, fácil e de baixo custo, que você pode fazer com uma mão nas costas e tomando o vinho do gringo com os brothers.

Ingredientes:

- 1Kg de carne moída (neste ponto é faz-se necessária sua intervenção, pois se for cozinhar para pessoas que você gosta compre guisado de 1º, senão taca de 2º mesmo que eles não vão nem notar a diferença);
- 1 ramo de salsinha picadinha;
- 2 embalagens de caldo de picanha em pó;
- 2 colheres de margarina;
- 2 ovos;
- 2 cebolas (uma delas para o molho);
- meia xícara de farinha de trigo (se você estiver no nordeste usa Sarandi que é da família);
- meia xícara de farinha de mandioca (usa Veneranda, não vai me estragar a receita né);
- 1 pacote de queijo minas;
- sal a gosto;

Para o molho:
- 1 pacote de ricota;
- 1 copo de requeijão;
- 1 caixinha de creme de leite;
- uma das cebolas que você separou lá em cima, devidamente picadinha;
- 3 colheres sopa de vinho branco;
- sal a gosto;

Modo de Preparo:

- Uma barbada, mas meio demoradinho. Enfim, em um recipeinte grande o suficiente para que você possa misturar tudo, espalhe o guisado e vá temperando-o com o caldo de picanha em pó. Deixe o guisado lá na paz de Jah, descansando, enquanto você frita uma das cebolas em duas colheres de margarina. Frite-as com uma pitadinha de sal até ficarem em douradinhas e reserve. Voltando a atenção para o guisado, adicione os dois ovos e continue mexendo com as mãos até que o ovo esteja bem disolvido na carne. Adicon a farinha de mandioca e continue misturando, por uns 5 minutos. A idéia é que fique o mais homogêneo possível. Adicione a farinha de trigo e mexa por mais 5 minutos. Adicione aquela cebolinha na manteiga que está reservada
e mexa por mais 5 minutos. Adicione a salsinha picadinha e já sabe né? Vá misturando até ficar bem consistente. Quando estiver bem firme, tempere com sal a gosto.

- Até aqui tudo bem não é?! Certo, então segue o baile. Corte o queijo minas em pequenos cubinhos. Separe uma porção grande o suficiente para enrolar um pedacinho de queijo dentro, e feche a almôndega com o queijo minas no seu interior. Vá enrolando as almôndegas com um pedaço de queijo dentro, e quando estiverem prontas, coloque-as no congelador ou freezer.

- Enquanto as almôndegas estão congelando, vamos fazendo o molho. Numa panela aqueça um pouco de azeite da Olívia e doure uma cebolinha picadinha. Quando estiver bem dourada, adicone um pouco de farinha de trigo (cuidado nesse processo para a farinha não grudar no fundo da panela). Misture por 5 minutinhos e adicione o creme de leite. Continue mexendo e adicione o copo de requeijão. Mexa por mais alguns minutos, até que fique bem consistente e adicione a ricota raladinha no molho. Mais uns minutinhos mexendo e você já pode adicionar as 3 colheres de vinho branco e sal a gosto. Desligue o fogo e deixe a panela tampada, curtindo o vinhozinho.

- Beleza, agora você terá que intervir novamente pois esse é um momento crucial na receita. Você pode escolher por fazer as almôndegas fritas ou no forno. Seja qual for a sua opção, retira as almôndegas do congelador, frite-as (em óleo bem quente) ou asse-as (numa forma bem untada). Depois de prontas, esparrame o molho sobre as almôndegas e vá ser feliz...

Dica do Japa

- Faça as almôndegas fritas;
- Você pode adicionar outros tipos de queijo para fazer o molho ou mesmo substituir a ricota por um outro de sua preferência.

Trilha sonora da receita: Pela hora do Fundo de Quintal (mas ahhh... "Eu sei que vai dar bololôô")

Entretenimento áudio-visual para auxílio degustativo do prato: Grenal de domingão onde o Grêmio mete 1 x 0 no rival e acaba o ano com vitória nos 2 gre-nais realizados no ano.

Idealizador e hábil executor da receita: Spk

Have fun

t+

Spk

26.7.07

Paella Camponesa de domingão com família reunida




Há muito tempo eu vinha correndo atrás de uma paellera, barata, que não deformasse, não soltasse as tiras e não tivesse cheiro ;o), e depois de muito procurar finalmente encontrei (para quem se interessar, tem ali no Shopping Total, mas não sei o nome da loja e mesmo que soubesse não diria pois não estou ganhando nada por esse jabá ;o). Ta bom, ta bom, é uma que tem lá no térreo, próxima as agências bancárias, se não me engano é Casa do Gaúcho ou algo do gênero). Enfim, comprei a tal da paellera e me ocorreu que eu não sabia fazer paella, hehehe. Tive que recorrer ao meu cunhado Eduardo (que nas horas vagas é meu Shidoshi na arte culinária), e reuni a família para uma paella camponesa (wazahhhhhhhh). Me lembro que no dia em que fizemos esse troço faziam três (sim, eu disse TRÊS) graus Celsius em Porto Alegre, então se a sua idéia é reunir a família na volta do fogo, não tem pedida melhor.

Vamos ao goró.

Ingredientes:

- 500 gr de picanha suína devidamente picada em cubinhos;
- 500 gr de alcatra devidamente picada em cubinhos;
- 500 gr de patinho devidamente picada em cubinhos;
- 2 peitos de frango devidamente picados em cubinhos;
- 400 gr de calabresinha fina picada em rodelinhas;
- 1 pacote de coração de galinha;
- 150 gr de bacon picadinho;
- 3 cebolas grandes picadas;
- 5 dentes de alho picados;
- 2 pimentões vermelhos picados;
- 2 pimentões verdes picados;
- 2 pimentões amarelos picados;
- 600 gr de ervilhas limpas;
- 600 gr de vagem limpa e sem talo;
- 1 ramo de salsinha picadinho;
- 1 vidro de azeitonas (verdes ou pretas), sem sementes;
- 1 vidro de palmito;
- 1 vidro de mini-milho;
- 1 kg de arroz parbolizado;
- 5 caldos de picanha em tabletes;
- 5 colheres de sopa de açafrão em pó;
- 4 copos de vinho branco suave;
- sal a gosto;
- 1 lata de azeite de oliva;
- seu décimo terceiro e metade das férias para comprar isso tudo ;o);

Modo de preparo:

Não se assuste, apesar da quantidade de ingredientes, tudo não passa de um carreteirão com caldo amarelo ;o). Para começar, coloque bastante água para esquentar enquanto você pica o que tiver para ser picado nos ingredientes. Depois de fervida a água, adicione os tabletes de caldo de picanha numa vasilha e derrame um litro de água fervendo para que eles se dissolvam. Numa outra vasilha, adicione as 5 colheres de açafrão e derrame outro litro de água quente no açafrão. Reserve-os e vamos a segunda etapa.

Acenda o fogareiro, coloque a paellera com umas 8 colheres de sopa de azeite no fogo e deixe esquentar bem antes de começar a colocar os ingredientes. Vai com calma, sem pressa, abre uma garrafa de vinho, vai contando umas piadas que tudo vai se resolver ;o).

Quando o azeite estiver bem quente, vá adicionando as carnes conforme esta sequeência: primeiro o porco, e vá mexendo para que ele frite sem grudar na paellera. Depois vá colocando o patinho e a alcatra, mexendo sempre. Se o seu fogareiro lhe permitir controlar o fogo, vá fritando com os aquecedores em fogo alto que é bem prazeroso ver as pessoas te olhando com aquela cara de “Ai, ai, ai, tomara que ele saiba o que está fazendo”. No meio do paellero vai juntar um caldinho que a carne solta, vá jogando a carne de um lado a outro para aproveitar bem esse caldo. Adicione os coraçõezinhos e o frango que são extremamente rápidos no cozimento e continue mexendo.

Muito bem, agora é chegada a hora de algumas verduras (calma, não me esqueci do bacon e das calabresinhas, elas vem logo em seguida; já te deixei na mão alguma vez??? ;o)). Abra um espaço no meio da paellera e coloque o alho e as cebolas picadinhas, bem naquele caldinho que comentávamos há pouco. Quando estiverem bem douradinhos, adicione o bacon e a calabresinha, mexendo sempre. Quando estiver tudo bem cozido, baixe o fogo que agora vem o momento especial.

Em fogo baixo, derrame o arroz parbolizado por toda a superfície da panela. De uma volta derramando o azeite novamente e depois adicione os 4 copos de vinho sobre a paellera. Derrame os pimentões coloridos sobre a panela e despeje aquela vasilha com o caldo de carne dissolvido e a outra vasilha com o açafrão. Salgue a gosto. Espalhe a salsinha por sobre toda a panela e sobre a salsinha espalhe a vagem, cobrindo toda a paellera. Espalhe na sequência as azeitonas, o mini-milho, a ervilha e os aspargos. Se necessário, adicione mais um pouco de água para o cozimento.

Tampe a paellera (ou cubra com papel laminado caso ela não possua tampa), e deixe no fogo baixo por uns 15 minutos. Ta pronto meu guri, destapa esse troço, chama o batalhão e vai ser feliz.

Dica do japa:

- Se você quiser, também pode utilizar champignons para esta receita que fica da bruxa;

- É praticamente um sacrilégio você comer uma paellera camponesa dessas sem pelo menos colocar umas gotinhas de pimenta no prato do vivente. Não precisa abusar, mas o sabor é outro com uma pimentinha no lombo. Vai por mim que eu nunca te botei em fria, ou vai dizer que já botei? hehehe

- Esqueci de comentar no início, mas nessas quantidades, comeram 11 adultos e 5 crianças. E deu ali, ali, hehehe.

Trilha sonora da receita: Mas olha, uma comilança dessas com família reunida, pega o CD do “Reinaldo e seus Convidados” volumes 1, 2 e 3 e deixa tocando na viola que a diversão ta garantida.

Entretenimento áudio-visual para auxílio degustativo do prato: Bom, eu tenho um irmão aqui que quando começa a contar “causos” é uma festa em pessoa, hehehe. Estamos estudando as possibilidades de alugar ele para as pessoas fazerem suas receitas ;o)

Idealizador e hábil executor da receita: Spk e seu cunhado Du;

Have fun

T+

Spk

Batatas nervosas com creme Francês de requeijê



Pois então (e quem me conhece sabe que quando eu digo “Pois então” eu estou querendo dizer “Pois então” mesmo), aqui vai mais uma receitinha ultra leve, para fazer com a família no sábado a noite que vai te dar ibope e fazer com que alguém te pague uma rodada de ceva bem tranqüilo.

Ingredientes:

- 2kg de batatas cozidas, descascadas e picadas em rodelas;
- 500 gr de presunto magro;
- 500 gr de queijo lanche (apesar de o queijo andar pela hora da morte né...);
- 3 pitadas de páprica picante (tem ali no mercado público, vai atrás que vale a pena);
- 1 copo de iogurte natural;
- 1 caixinha de creme de leite;
- 1 copo de requeijão;
- 3 pitadas de alho ralado (aqueles do pacotinho, desidratado, sabe?);
- margarina para untar a fôrma;
- sal a gosto;

Modo de preparo:

Não tem mais fácil. Numa vasilha qualquer, adicione o requeijão, o iogurte, o creme de leite, as pitadas de páprica, sal a gosto e 3 pitadas de alho ralado. Mexa bastante, até fazer um creme maomenos homogêneo. Numa fôrma untada com manteiga, vá fazendo camadas de batatas, presunto, queijo e essa gororoba cremosa que você acaba de fazer. Leve ao forno por mais 20 minutos e vá ser feliz meu rapaz (como é fácil ser feliz não?!).

Dica do japa:

- Tchê, a receita é muito barbada, não tenho muitas dicas para dar. Bom, se você gostou da receita, mas acha que ela poderia ser mais “gorda”, adicione uns cubinhos de bacon frito junto a mistura.

Trilha sonora da receita: Luna – Luxúria

Entretenimento audiovisual para auxílio degustativo do prato: Jogo do Grêmio

Idealizador e hábil executor da receita: Spk

Have fun

t+

Spk

Filé de pescada de tresontontem


Pois é, depois de mais um tempão sem postar nada, eis que apareço novamente para dar vida a este blog. Aos visitantes assíduos desse blog (se é que eles existem), minhas sinceras desculpas pelo sumiço, mas preciso trabalhar, estudar, comer, etc...

Para me redimir com a galera pela ausência, segue uma receitinha básica, simplíssima e rápida, como de costume. Chega de trela e mãos a obra,

Ingredientes:

- 500 gr de filé de pescada (vai por mim que o filé é bom);
- 2 limões;
- 6 batatas pequenas cozidas, descascadas e partidas pela metade;
- 1 pacote de queijo ralado;
- 4 pães franceses de ontem cortados em rodelas;
- 3 colheres de chá de azeite de oliva;
- 2 cebolas picadas;
- 3 dentes de alho picados;
- 1 copo de iogurte natural;
- 1 ramo de salsinha picadinha;
- sal a gosto;
- 1 pitada de pimenta calabresa;

Modo de preparo:

Sem muito mistério. Numa panela aqueça o azeite e doure a cebola e o alho. Quando estiverem bem douradinhos, adicione o pão dormido na panela e dê uma mexida por uns 5 minutos. Tempere o peixe com o sal e os limões e adicione-os a panela. Deixe a panela tampada por uns 5 minutos em fogo baixo. Mexa o conteúdo para que o pão não grude no fundo da panela. Quando o peixe estiver cozido, adicione o copo de iogurte e mexa por mais 5 minutos. Adicione as batatas já cozidas e a pitada de pimenta calabresa, misture e deixe em fogo baixo por mais 5 minutos. Abra a panela, espalhe a salsinha e o queijo ralado e vá ser feliz meu rapaz, ta pronta essa paçoca.

Dica do japa:

- Não faça essa receita com pão novo. O pão velho vai te dar aquela sensação politicamente correta de não estar deixando alimentos estragarem enquanto há tanta gente passando fome lá fora.

- Uma pitadinha de mostarda nessa panela vai dar um brilho todo especial, vai por mim ;o)

Trilha sonora da receita: Make you happy – Tray Lo

Entretenimento áudio-visual para auxílio degustativo da receita: Jogos Pananmericanos

Idealizador e hábil executor da receita: Spk

t+

Spk

27.6.07

Série "Receitas que nossos amigos fazem, e nos enviam p/ publicar": HOT OVEN SANDWICH WITH F***ING FRANGO e LEGUMES


Negócio eh o seguinte: essa receita foi o Zeca Pachequinho q fez em 19/01/2007, ou seja, faz um tempão! Acho q soh o Spk não faz nada no trampo e pode ficar atualizando... eheheh, foi maus! ;)
Abaixo, os comentários do próprio Pachequits!

Ahhhh, pois é… galera reunida pro rango. Neste caso, a turma é grande (8 pessoas), por isso, segue uma receita bastante fácil, prática e rápida... ideal para um número elevado de “famintos”. Trata-se de um sanduíche de forno, algo muito similar a uma lasanha... mas, ao invés de massa, estaremos utilizando pão de sanduíche.

Ingredientes:

- 1 pão de sanduíche (pão de forma)
- 2 latas de seleta de legumes (milho, ervilha, cenoura, etc.)
- 500g de carne / frango moída
- 200g de queijo cheddar
- 100g queijo lanche ou mussarela
- 200g de presunto magro
- requeijão
- molho quatro branco / 4 queijos / madeira / strogonoff
- 1 cebola
- 1 ou 2 pimentão(ões)
- 2 dentes de alho

Modo de Preparo:

Começamos preparando o molho, picando 2 dentes de alho, 2 pimentões, 1 cebola e colocando a carne moída (usei desta vez frango – DICA: encontra-se no supermercado UNIDÃO do Shopping de Canoas). Mexendo direto, adicionamos os temperos (usei sal, pimenta e cominho) esperamos a carne pegar “aquela cor” e adicionamos o molho (usei estes molhos prontos de caixinha de strogonoff).
Com o molho pronto, começamos a montar o sanduíche. O primeiro passo é capturar uma forma, bandeja, travessa de vidro, por exemplo, untando a mesma para o pão não grudar no fundo.
Agora, a tarefa é semelhante a montar-se uma lasanha, ou seja, começando com as fatias de pão, fazemos andares, recheando o centro com requeijão, presunto, queijo e o molho preparado anteriormente.
Pra arrematar a peleia, seleta de legumes e um queijinho mussarela por cima.
Direto pro forno. Aguardar o queijo todo derreter, aproximadamente 15 – 20 minutos.

É importante ressaltar que estes molhos, medidas, acompanhamentos, etc., são diretamente ligados ao gosto dos envolvidos. É livre a “invenção” e utilização de novos temperos, medidas, etc.

Dica:
Quando começar a preparar o prato, já coloca a ceva no freezer pra ficar beeeemmm gelada na hora da janta.

Observação:

Desculpem a falha nossa na foto do prato finalizado, o Firpo é foda... esqueceu de tirar a foto e pá, só lembrou quando o prato já havia sido “atacado”.

Trilha Sonora:

Hino do Sport Clube Internacional – em homenagem aos 4 famintos participantes (todos colorados).

Falow. Valew.

Z.P.

10.6.07

Série "Massas meio trabalhosas mas boas pra c...aramba"


Para encerrar esta minisérie eis que surge a mais fácil e gostosa delas. Vamos fazer um macarrãozinho aos 4 queijos para levantar defunto.

Ingredientes:

- 1 cebola picada;
- 1 pacote de massa spaghetti caseira;
- 200 gr de presunto magro picado;
- 1 ramo de salsinha picadinha;
- 4 tipos de queijos (200gr de queijo lanche, 1 pacotinho de parmesão ralado, 1 pacotinho de ricota "triturada" e 1 potinho de requeijão)
- 1 caixinha de creme de leite;
- 2 colheres de sopa de azeite;
- sal a gosto;

Modo de preparo:

- O preparo da massa não muda, e nem tente fazer diferente: coloque água a ferver com 3 pitadas de sal e 2 colheres de azeite. Enquanto isso doure as cebolas no azeite. Quando estiverem bem douradas, adicione o creme de leite e vá mexendo por uns 3 minutos. Adicione os 4 tipos de queijo, um de cada vez e com um intervalo de 3 minutos entre eles (sempre mexendo). Depois do último tipo de queijo, adicone 3 pitadas de sal e deixe cozinhar por mais 2 minutos em fogo baixo. Remova e escorra a massa, e ao servir o prato, polvilhe salsinha e presunto sobre o prato do vivente e tá que é um dedo destroncado.

Dica do Japa:

- Os tipos de queijo você escolhe: parmesão, requeijão, lanche, mussarela, ricota, gorgonzolla, minas frescal... enfim, vai no supermercado que tipos de queijo disponíveis não faltam, e você só precisa de 4 deles. Lembre-se que, se por ventura você fizer com o gorgonzola o molho vai ficar bem forte;

- Se você fizer com queijos como ricota ou minas, triture-os antes, pois do contrário demorarão muito tempo para derreter na panela.

Trilha sonora da receita: Louis Armstrong - Zat You Santa Claus (bah, o cara se puxava... essa é particularmente minha preferida dele);

Entretenimento audio-visual para auxílio degustativo do prato: Série Heroes (wazahhh foi o Sylar quem me ensinou essa receita aliás)
Idealizador e hábil executor da receita: Spk

Have fun

t+

Spk

Série "Massas meio trabalhosas mas boas pra c...aramba"


É isso, o pior já passou, pois a receita anterior era a mais trabalhosa delas ;o).

Agora segue uma receitinha de massa carbonara com espinafre bem tranquila, pra você fazer sorrindo.

Ingredientes:

- 200 gr de bacon picado;
- 4 ovos;
- 3 colheres de sopa de manteiga;
- 1 pacote de queijo parmesão ralado;
- 1 caixinha de creme de leite;
- 1 pacote de macarrão talharim;
- 1 ramo de espinafre ralado;
- 1 ramo de salsinha ralada;
- sal a gosto;

Modo de preparo:

- Coloque água a ferver com 2 colheres de sopa de azeite e 3 pitadas de sal para fazer o talharim; Enquanto isso, numa outra panela, aqueça as 3 colheres de manteiga e freite o bacon picadinho. Reserve-os. Numa bacia, adicione o creme de leite, o queijo parmesão ralado e os ovos (meu brother Vinícius Cypriano me deu a barbada de fazer apenas com as gemas do ovo, mas eu costumo fazer com o ovo inteiro e fica legal ;o)). Bata esses ingredientes até ficar um creme homogêneno (normalmente uns 5 ou 6 minutos). Despeje esta mistura na panela do bacon, adicione o tempeirinho verde e o espinafre e deixe cozinhar por mais uns 7 minutos em fogo baixo, mexendo sempre. Escorra a massa e tasque essa gororoba por cima (ou se preferir, deixe que o próprio vivente faça essa misturança no seu próprio prato).

Dica do Japa:

- Se você quiser dar uma pitada de pimenta calabresa na mistura antes de batê-la, fique a vontade;

- Quando fritar o bacon, antes de reservá-los seria bom tirar um pouco de gordura da panela, pois bacon frito na manteiga fica beeeeeeeeeem calórico ;o)

Trilha sonora da receita: Minha história - Chico buarque (o cara é fera)

Entretenimento audio-visual para auxílio degustativo do prato: Piratas do Caribe 1,2,3

Idealizador e hábil executor da receita: Spk

Have fun

t+

Spk

Série "Massas meio trabalhosas mas boas pra c..aramba"


É isso ai, quando você pensa que nós já estamos mortos e que esse blog magnífico nunca mais será atualizado, nós surpreendemos e colocamos algo de babar o colarinho para você se entreter novamamente. Esta é uma série de 3 (talvez mais) receitas extraídas de um livro de massas que ganhei de aniversário do Zeca Pachequinho (wazahhh, só valeu hein brother). É claro que ainda não tive nem tempo nem habilidade suficiente para fazer todas, mas agente vai tentando.

Então para dar início a série "Massas meio trabalhosas mas boas pra c...aramba", vamos fazer uma receita de "Massa conchinha com legumes" (massa conchinha, ói que meigo);

Ingredientes:

- 2 cebolas grandes picadas;
- 4 dentes de alho picados;

- 1 pimentão picado;
- 1 cenoura grande pivada em rodelinhas;
- 2 tomates grandes picados;
- 10 ramos de brócolis;
- salsinha picadinha bem miúda;
- 2 colheres de chá de farinha de trigo;
- 2 colheres de margarina;
- 1 pacotinho de queijo parmesão ralado;
- 1 copinho de iogurte natural;
- 1 caixinha de creme de leite;
- 2 pitadas de páprica picante;
- 1 tablete de caldo de picanha e 1 de caldo de galinha;
- 1 pedacinho bem pequeno de gengibre raladinho;
- 1 pacote de massa "conchinha" (vai por mim que o nome é esse mesmo);
- 1 colher de sopa de curri;
- 200 gr de carne de patinho picado em cubinhos;
- 200 gr de peito de frango picado em cubinhos;
- sal a gosto;
- 2 colheres de sopa azeite;

Modo de preparo:

- Antes de mais nada, não te assusta, apesar da quantidade de ingredientes a receita é uma barbada. Vamos começar pelo frango. Numa panela aqueça uma colher de sopa de azeite. Adicione o peito de grango picado, o caldo de galinha picadinho, 2 pitadas de sal e dê uma mexida de vez em quando até cozinhar. Reserve o peito de frango num prato para utilizarmos posteriormente;

- Numa ourta panela, aqueça outra colher de azeite e adicione o patinho e o caldo de picanha. Adicione 2 pitadas de sal e a colher de curri. Assim como o frango, dê uma mexida vez ou outra até ficar cozido e reserve num outro prato para utilizarmos posteriormente;

- Agora vamos aos finalmentes. Coloque uma panela com água, 2 colheres de azeite e 3 pitadas de sal para ferver (para a massa). Numa panela de ferro aqueça as duas colheres de margarina e doure o gengibre, o alho e as cebolas nela. Quando estiverem bem dourados, adicione as 2 colheres de farinha de trigo e continue mexendo para não grudar. Junte a essa panela os tomates, a cenoura e o pimentão picados e deixe cozinhar por uns 5 minutos, sempre cuidando para não grudar no fundo. Quando as verduras estiverem cozidas (não se preocupe muito se a cenoura não estiver bem cozida, ela vai cozindo no decorrer da receita ;o)), adicione o frango e o patinho na panela, mexendo por mais 2 minutos. Adicione o copo de iogurte natural e continue mexendo por mais 2 minutos. A seguir, adicione o creme de leite e mexa por mais 2 minutos.

- Na panela da massa, que a esta altura já deve estar fervendo, coloque a massa e os brócolis para cozinharem juntos nessa mesma água. Aguarde o tempo necessário para o cozimento da massa (que estiver indicado no pacote, geralmente de 6 à 8 minutos), escorra massa e brócolis e adicione-os na panela de ferro com os demais ingredientes. Mexa por mais alguns minutinhos e está feita a paçoca. Polvilhe a salsinha e o queijo ralado e vá ser feliz meu rapaz.
Dica do Japa:

- Esta receita fica ótima com um vinho tinto (não entendo absolutamente nada de vinhos, mas que fica bom fica ;o));

- Você pode incrementar essa receita com outras verduras que lhe apeteçam. Abóbora, abobrinha, vagem, beringela, couve-flor... Você é quem sabe dos seus gostos.

Trilha sonora da receita: Opera do malandro - Chico Buarque

Entretenimento audiovisual para auxílio degustativo do prato: Happy Feet - O Pinguim

Idealizador e hábil executor da receita: Spk

Have fun

t+

Spk

6.5.07

Camarão fritinho ao spkquê para fazer um agrado para a patroa


Olha só. Essa receita é algo, sem palavras, rápida, fácil e prática. Wonderful, amazing, ímpar. Segue a gororoba.

Ingredientes:

- 1kg de camarão com casca;
- sal;
- 2 limões;
- meio cálice de vinho branco;

Modo de Preparo:

- Tempere os camarões em uma bacia com o sal, os limões e o vinho. Deixe-os curtindo por 30 minutos. Depois, ferva água numa panela grande o suficiente para os camarões. Mergulhe os camarões na água fervendo por 2 minutos para cozi-los. Remova e escorra os camarões, fritando-os numa frigideira com azeite de oliva bem quente a seguir.

Dica do Japa:

- Para acompanhar esse camarão: nega véia + vinho branco;

Trilha sonora da receita: They like it slow - H-Town

Entretenimento audiovisual para auxílio degustativo do prato: Já que estamos num clima de romance, qualquer comedia romântica de final feliz serve ;o)

Idealizador e hábil executor da receita: Spk

Have fun

t+

Spk

Sopão de Ervilhas e batatas com tudo dentro


O frio está finalmente chegando, e as receitas de sopas são sempre bem-vindas. Aqui segue uma que pode lhe quebrar o galho em situações de desespero.

Ingredientes:

- 1 molho de salsinha;
- 2 cebolas grandes cortadas em cubos;
- 1 cenoura grande picada;
- 1 lata de ervilha;
- 5 pacotes de sopa instantânea de batata;
- 400 gr de coração de galinha picado (ao meio);
- 1 tira de linguiça calabresa fina picada;
- 1 caldo de picanha;
- 2 pacotinhos de sazon para feijão;
- meio pacote de massa parafuso colorida ;o)
- 1 l de água;
- 2 ovos;

Modo de preparo:

- Coloque um pouco de água fervente em uma caneca com o caldo de picanha e deixe separado. Frite os coraçõezinhos e a linguiça numa panela e reserve-os. No liquidificador, despeje a lata de ervilha, a água, a cebola, a cenoura, a salsinha e os 5 pacotinhos de sopa de batata. Bata tudo no liquidificador e despeje numa panela, levando ao fogo logo a seguir. Cozinhe em fogo médio por 10 minutos e adicione a caneca de caldo de picanha e sal a gosto. Despeje os pacotinhos de sazon e continue mexendo por mais 2 minutos. Adicione os coraçõezinhos e a calabresinha e a massa parafuso. Deixe cozinhando por uns 7 minutos até que a massa esteja no ponto. Quando a massa estiver cozida, adicione os dois ovos, mexxendo bastante para dissolver os ovos na sopa. Deixe cozinhar mais alguns minutos e está feita a paçoca.

Dica do Japa:

- Uma pitada de pimenta calabresa vai dar um brilho especial na sua receita.
- Sirva enquanto estiver bem quente, pois quando essa gororoba esfriar..... ;o)
- Coma naquela cumbuquinha escrita "eu coraçãozinho você" que a nega véia fez pra ti e o gosto vai ser outro ;o)

Trilha sonora da receita: Gold Diogger - Kayne West

Entretenimento audiovisual para auxílio degustativo do prato: Mega liga da MTV

Idealizador e hábil executor da receita: Spk

Heva fun

t+

Spk

5.5.07

Gororoba de Peixe com queijo


Mas olha ai que beleza, para quem andava reclamando de que não rolava receita nova, vamos dar sequência nas nossas aventuras com algo especial. Sabe aqueles filés de peixe que já estão completando aniversário no freezer, pois então, vamos dar cabo deles com uma receita sublime. Abra a sua geladeira e sinta-se a vontade para substituir qualquer ingrediente que esteja nessa receita por algo que você tenha a mão no momento. A receita hoje é "wild", cooking with no rules ;o)

Ingredientes:

- 500 gr de filé de peixe;
- 200 gr de queijo lanche fatiado;
- 2oo gr de presunto magro picadinho;
- 2 tomates pequenos picados em rodelas;
- 2 cebolas médias picadas em rodelas;
- 1 caixinha de creme de leite;
- 3 colheres de vinho branco suave;
- queijo ralado para polvilhar;
- azeite da Olívia;
- sal e pimenta a gosto;
- 2 limões;
- 1 ramo de cebolinha picadinho;

Modo de preparo:

- Tempere os peixes com sal e limão. Numa chapa grande o suficiente para todos os peixes, aqueça um pouco de azeite e vá cozinhando os peixes nela. Quando estiverem quase prontos (cerca de uns 10 minutinhos virando-os na chapa), adicione as rodelas de tomate e cebola e o picadinho de cebolinha e continue mexendo-os na chapa. Quando as verduras já estiverem cozidinhas, é chegada a hora do queijo ralado e do presunto. Esparrame-os sobre o prato e continue mexendo-os na chapa. Se solte, respire, faça um alongamento das pernas para relaxar e voltemos ao prato.

- Derrame as três colheres de vinho tinto sobre o prato e a caixinha de creme de leite também. Mexa mais um pouco até dar aquele brilho especial (brilho especial = 5 minutos), adicione as fatias de queijo sobre essa paçoca, polvilhe um pouco de orégano e ai é só apagar o fogo, esperar alguns minutinhos até que o queijo derreta sobre o prato e vá ser feliz meu rapaz.

Dica do Japa:

- Manjericão ao invés de orégano também fica da bruxa.

- Ao invés de usar azeite da Olívia, você também pode usar azeite de dendê que fica o bicho.

Trilha sonora da receita: Penetra - Zeca Pagodinho

Entretenimento audiovisual para auxílio degustativo da receita: O Motoqueiro Fantasma

Idealizador e hábil executor da receita: Spk

Hav fun

t+

Spk

8.4.07

Creme cheese de cheese minas


Devido a diversos, incansáveis, inesgotáveis, infindáveis pedidos (1 da Gisa, secretária aqui da empresa onde eu trabalho e que também curte uma culinária e 1 da Cristiane, funcionária aqui da contabilidade e que ficou com pena da minha cara de cachorro pidão esperando um elogio pela gororoba), eia aqui uma receita de creme de queijo que lhe renderá sucesso internacional. Prático, rápido, fácil, não solta as tiras e não tem cheiro ;o)

Ingredientes:

- 2 colheres de sopa de maizena (não colher de sopa de maizena, mesmo por que sopa de maizena não existe, quis dizer duas colheres de sopa, de maizena, entendeu?)
- 1 lata de creme de leite;
- 1 lata de leite condensado;
- 3 ovos;
- 1 xícara de leite;
- 1 queijo minas frescal partido em pedaços;
- 3 colheres de queijo parmesão ralado;

Modo de preparo:

- Olha a dificuldade. Coloque todos os ingredientes no liquidificador. Bata-os por 1 minuto. Unte uma forma com margarina, despeje o conteúdo do liquidificador na forma e leve ao forno por 40 minutos. Feito o carreto. Tá que é um dedo no olho.

Dica do Japa:

- Acredito que 40 minutos sejam suficientes para a sua criação. Se você ficar em dúvida, deixe no máximo 45 minutos. Não deixe mais do que isso senão vai ficar seco pra caramba.
- De preferência, sirva gelado.

Trilha sonora da receita: Olha, dificilmente vai dar tempo de ouvir alguma coisa numa receita como essa (onde é só bater tudo no liquidificador e botar no forno), mas já que é preciso, tasca um Vi Acontecer da Turma do Pagode e vá ser feliz meu garoto...

Entretenimento audiovisual para auxílio degustativo da receita: Coach Carter

Idealizador e hábil executor da receita: Spk

Have fun

t+

Spk

Sopa de feijão do retorno da ESEF as quartas-feiras


Pois é. Nada melhor do que jogar um basquetinho na ESEF da Ufrgs as quartas-feiras (pois é o único dia que posso ir, por enquanto) , chegar em casa e repor as energias com uma receita leve e saborosa. Ou seja, sopa caldo de feijão, bem light, só para dormir tranquilo. Segue a receita.

Ingredientes:

- 6 xícaras de caldo de feijão (sim, caldo de feijão, faz feijão e separa os grãos em um recipiente e o caldo em outro recipiente, simples assim);
- 2 coxas de galinha que sobraram do almoço de domingo desfiadas;
- meio pacote de massa spaghueti;
- 1 batata picadinha;
- sal e pimenta a gosto;
- 1 caldo de picanha espremido;
- 1 colher de pasta de alho;
- azeite de oliva;

Modo de preparo:

- Em uma panela relativamente grande, frite as batatas. Quando estiverem bem fritinhas, adicione o caldo de feijão e vá mexendo. Adicone a massa, 1 xícara de água e espere a massa cozir, mexendo de vez em guando para não grudar. Quando a massa estiver pronta, adicone a galinha desfiada, tempere com sal e pimenta a gosto e deixe cozinhar por mais 3 minutos. Feita a paçoca, se tu conseguir dormir depois dessa pedrada é lucro.

Dica do Japa:

- É difícil acertar o ponto dessa sopinha. As vezes ele engrossa demais, as vezes ele fica muito ralo. Então você já sabe, engrossou muito, vá adicionando mais água (de meia em meia xícara, de acordo com a necessidade). Ficou muito ralo, a solução é meia xícara de água com uma colher de sopa de maizena). Engrossa tudo.

Trilha sonora da receita: Coral de anjos - Grupo Sensação

Entretenimento audio-visual para auxílio degustativo do prato: Meu Mestre Minha Vida

Idealizador e hábil executor da receita: Spk

Have fun

t+

Spk

Arroz com camarão


Bom, como já havia publicado essa receita e sei lá por que cargas d'água ela sumiu do blog (???), vou republicá-la rapidamente pois o tempo ruge e a Sapucaí é grande.

Ingredientes:

- 500 gr de camarão;
- 1 cebola roxa grande picada;
- 1 cebola grande picada;
- 1 tomate grande picado;
- 2 xícaras de arroz;
- sal e pimenta a gosto;
- queijo parmesão ralado;
- Azeite da Olívia;

Modo de preparo:

- Frite as cebolas no azeite de oliva e quando estiverem bem douradinhas acrescente o tomate. Cozinhe por 2 minutos, mexendo sempre e adicione o arroz para dar uma fritadinha. Adicione 4 xícaras de água, tempere com sal e pimenta a gosto e deixe cozinhar em fogo baixo. Quando estiver quase pronto, adicione o queijo ralado por sobre o arroz e está pronto.

Dica do Japa:
- Não é necessário cozinhar os camarões em separado. O camarão é o último a entrar na panela, e não se preocupe, ele ficará bem cozido. Não adicione-o logo no início do preparo pois do contrário ele vira uma borracha ;o)

Trilha sonora da receita: Lost Ones - Lauryn Hill

Entretenimento audiovisual para auxílio degustativo da receita: Deja Vu (show de bola)

Idealizador e hábil executor da receita: Spk

Have fun

t+

Spk

2.3.07

Coraçãozinho ao "molho" de pimentões coloridos da minha chapa nova


É isso ai. Depois de umas longas férias desse blog maravilhoso, é hora de recomeçar. E nada melhor do que recomeçar a postar as receitas numa data tão especial quanto hoje, afinal de contas, 02/03 é meu aniversário, então antes de mais nada: "Parabéns pra mim!!!"
"Obrigado" ;o)

Nas minhas férias, um pouquinho antes do carnaval para ser mais específico, a nega véia me deu um fogareiro de presente. Grande erro. Exatamente 2 dias depois eu comprei a chapa dos meus sonhos (da para usá-la no fogareiro, na churrasqueira, no fogão, no chuveiro, faz café, tem despertador, leva as crianças na escola e se ratear da pra ver uns DVDs em Divx ;o)).
Como nem tudo na vida é perfeito, o único problema da chapa é que eu moro em apartamento, e os ilustres visitantes desse blog devem certamente saber da minha fama de "defumador" heheheh. Mas enfim, aqui vai uma receita boa pra caramba e que não vai levar muito tempo para ser preparada. Um abraço aos visitantes e parabéns pra mim novamente. Obrigado ;o)

Ingredientes:

- A chapa, mas ahhhhh...
- 1 Kg de coraçãozinho de frango ou de galinha ;o)
- 1 cebola grande cortada em rodelas;
- 3 pimentões coloridos (verde, vermelho e amarelo), grandes e cortados em rodelas;
- 4 colheres de sopa de azeite de dendê;
- 4 colheres de sopa de leite de côco;
- sal e pimenta a gosto;

Modo de preparo:

- Absolutamente sem mistério. Tasca um Fundo de Quintal na vitrola, ligue o fogareiro e deixe a chapa esquentar. Enquanto a chapa esquenta, vá temperando os corações com sal e pimenta a gosto. Despeje duas colheres de azeite na chapa e adicione os corações, mexendo-os constantemente e cuidando para não encher a chapa de caldo. Se isso acontecer, remova esse caldinho que acumula no centro da chapa com uma colher e se quiser pode adicionar no arroz, lembre-se: nós queremos os corações fritos não ensopados ;o)
Quando os corações estiverem fritos, despeje duas colheres de leite de côco sobre os mesmos e dê uma mexidinha para pegar um gostinho. Reserve os corações num recipiente qualquer e vamos aos legumes.

- Aproveitando que a chapa já está queimando, adicione mais duas colheres do azeite de dendê e coloque a cebola e os pimentões para fritar. Tempere-os com sal a gosto e quando estiverem prontos adicione-os ao recipiente onde estão os corações. A disposição dos legumes (sobre os corações ou ao lado eles), fica a seu critério.

Barbada né. Tá feita a paçoca, vá ser feliz meu rapaz... ;o)

Dica do Japa:

- Aquela história de acumular caldinho no centro da chapa é verídica, vai por mim, já te botei em fria alguma vez??? Se o seu fogareiro possuir queimadores centrais, use-os. Só cuidado para não torrar o troço também né.

Trilha sonora da receita: Pela Hora - Fundo de Quintal

Entretenimento audiovisual para auxílio degustativo do prato: Chaves

Idealizador e hábil executor do prato: Spk

Have fun

t+

Spk

1.2.07

Maminha ao molho madeira da nega véia agora contadora de História profissional


Mas ahhhh depois de um tempinho afastado do blogg devido a alguns probleminhas com o blogger que deixou de ser Beta mas também deixou de funcionar por umas semanas, cá estamos novamente para encher estas páginas com nossas baboseiras gastronômicas. A receita de hoje vai em homenagem a minha nega véia que está se formando em História na UFRGS (vai me contando história, vai... ;o)) e que espontaneamente assumiu sua posição de principal cobaia das minhas aventuras na cozinha. Parabéns amor, por se formar e por comer aquelas gororobas todas sem pestanejar e sem fazer cara feia (haja estômago).

Mas vamos ao que interessa. Receitinha de maminha com molho madeira pra não ter erro. Barbada mesmo. Tasca um "Problema emocional" do Almir Guineto na vitrola e vamos a ela.

Ingredientes:

- 500 gr de maminha partida em pequenos pedaços;
- 2 cebolas picadinhas;
- 2 colheres de sopa de farinha de trigo Sarandi (mas tem que ser Sarandi hein... da uma força ai ;o))
- 2 colheres de sopa de margarina;
- meio copo de extrato de tomate;
- 2 pacotinhos de caldo de costela em pó;
- sal a gosto;
- um cálice de vinho madeira;
- um cálice de vinho branco seco misurado com água;
- champignons partidos ao meio;
- perspicácia, determinação, garra, força de vontade, sagacidade e paciência.

Modo de Preparo:

- Bom, vamos lá. Numa panela qualquer você frita a cebolinha picadinha na margarina e quando estiver bem douradinha acrescente as colheres de farinha. Cuidado nesse processo para a farinha não queimar ou grudar no fundo da panela, te aconselho fazer isso em fogo baixo. Quando tiver dado "aquela" liga, acrescente o extrato de tomate e continue mexendo. Depois de uns 2 minutos mexendo, adicione o cálice de vinho branco com água e continue mexendo essa paçoca. Vamos lá, sem desânimo... Acrescente o caldo de carne em pó, tempere com sal a gosto e deixe cozinhando uns minutinhos. Numa outra panela, você pode ir cozinhando a maminha, com aquele pacotinho de caldo de costela adicional. Quando estiver cozida, no ponto, separe as maminhas do caldinho aquele que ficou na panela do cozimento e adicione-as na panela do molho (não coloque aquele caldinho fora, pois você pode utilizá-lo para fazer arroz depois), sempre com o fogo baixo. Coloque a música no início novamente e quando o Almir estiver na parte do "Estava te esperando amor..." junte o cálice de vinho do porto e os champignons e deixe em fogo baixo mais uns 5 minutinhos. Feito o carreto rapá, pode até servir essa gororoba ai na festa de formatura que vai dar um ibope violento ;o)

Dica do Japa:

- Tchê, seguinte, nem todo mundo consegue encontrar vinho madeira pra vender, então caso você não achar também (e os chefs de cozinha que lerem estas linhas por favor me perdoem), faz com qualquer vinho tinto seco e usa um pouco de molho inglês pra dar uma escurecida no molho também, hehehe. Não é o ideal mas se você assim como eu é um ogro que come qualquer coisa nem vai notar a diferença.

Trilha sonora da receita: Problema emocional - Almir Guineto

Entretenimento audiovisual para auxílio degustativo do prato: Olha, se você estiver vendo "Eu, a patroa e as crianças", pode até ser que você dê umas risadas, já que vai chorar com o prato ;o)

Idealizador e hábil executor do prato: Spk

Have fun

t+

Spk

22.1.07

Spaghetti al pesto pestiado without nut porque rateei e esqueci de comprar


Bom, essa receita teve inspiração lah em casa mesmo, pois essa semana a patroa e eu estavamos limpando o pátio e tal... tirando o matagal... arrumando as plantas... a parreira... aí olhamos pro manjericão. Ele olhou p/ nós, olhamos p/ ele... ficamos nos encarando por alguns minutos... e num súbito momento de insanidade eu gritei: "perdeu manjericão... vou te usar!!!!"


Ingredientes:

1 pacote de spaghetti
1/2 xícara +/- de chá de azeite de oliva (pode ser um pouco mais de 1/2 xícara)
1 ou 2 molho(s)/maço(s) de manjericão
Orégano
Sal a gosto
2 dentes de alho


Modo de preparo:

O preparo da massa, acho q não preciso explicar neh... tipo eh básico... se tu não sabe fazer uma massa... sei lah... faz com miojo! hueahueau! Nah, sacanagem... numa panela coloca água, sal e o fio de óleo (eu sempre quis dizer isso... "fio de óleo"). Quando ferver, larga a massa dentro!
No liquidificador colocar o azeite de oliva, orégano, as folhas de manjericão (jah lavadas neh!), 1 pitada de sal, o alho e a vontade de que dê tudo certo. Após tudo triturado, escorrer a massa, misturar o molho no spaghetti e jah eras!!!


Dica do Japa:

A dica eh barbada, o próprio nome da parada jah diz. Na receita original tem nozes, então quando tu for bater no liquidificador, coloca junto 2 nozes (sem a casca neh loco!!!). Uma outra dica fééééra eh servir acompanhado de uma Bohemia Weiss treeeeee gelada!


Trilha sonora da receita: Bob Dylan - Blowing in the Wind

Entretenimento Audiovisual para auxilio degustativo do prato: Lock, Stock and Two Smoking Barrels (Jogos, trapaças e 2 canos fumegantes)

Idealizador e hábil executor do prato: Firpo